Causas

CAUSAS

 

A Shiadu, enquanto empresa socialmente responsável, adota de forma voluntária, comportamento e acções que promovem o bem-estar da sociedade.
Trata-se de uma nova forma de gestão, sendo guiada pela relação ética e transparente da empresa com a sociedade em geral, visando seu desenvolvimento sustentável, além de preservar recursos e promover a redução da desigualdade social.

Conheça o impacto positivo gerado ao escolher as nossas Casas para a sua estadia:

 

HAPPIER LIVES

 

Na Shiadu acreditamos que qualquer um pode contribuir, através de ações ou atitudes, para melhorar a condição social dos que mais precisam, razão pela qual as causas sociais são transversais a todos os colaboradores. Foi nessa óptica que a Shiadu criou em 2013 uma associação sem fins lucrativos: a Happier Lives.

A Happier Lives é uma associação sem fins lucrativos que surge no âmbito da responsabilidade social empresarial da Shiadu, tendo sido constituída com o objetivo de desenvolver dois projetos: Happier Children e Happier Teens.

 

PROJECTO HAPPIER CHILDREN

 


O primeiro projecto lançado pela nossa associação foi o projecto “Happier Children”. É um projecto que visa promover e apoiar as crianças na área da Educação. Queremos ensinar as nossas crianças não apenas a contar, mas a contar com o que mais importa! 

O projecto Happier Children arrancou em São Tomé e Príncipe e em Portugal.

Os principais objectivos do projecto são:

• Dar apoio ao nível do material escolar básico;
• Apoiar a formação e especialização dos professores;
• Incentivar e criar condições para que mais escolas tenham acesso à instalação de computadores com acesso à internet;
• Fomentar a parceria entre escolas do primeiro ciclo, em São Tomé e Príncipe e Portugal, permitindo um intercâmbio de experiências.

Na Happier Children acreditamos que todas as crianças devem usufruir de educação com qualidade e que essa aprendizagem se reflecte nas suas comunidades bem como ao longo das suas vidas.

Segundo Irina Bokova, Diretora Geral da UNESCO, “a Educação acarreta sustentabilidade em todos os objectivos do desenvolvimento, e a literacia é a base de toda a aprendizagem. Providencia a todos os indivíduos a capacidade para compreender o mundo e moldá-lo, participando em processos democráticos e tendo uma voz, fortalecendo a sua identidade cultural.”

Foi nesse âmbito que a associação Happier Children desenvolveu e concretizou várias acções de doação de material escolar numa escola primária de São Tomé. Graças à presença de voluntários in loco, as condições da escola foram melhoradas através da construção de uma biblioteca bem como acções de formação e sensibilização sobre a importância da educação das crianças. Foi também desenvolvido um programa entre cidadãos portugueses e franceses para o apadrinhamento de crianças.

 

 

PROJECTO HAPPIER TEENS

 

 

O nosso segundo projecto chama-se Happier Teens e visa o apoio à população jovem lésbica, gay, bissexual e transgénera (LGBT) que viva em situação de exclusão familiar. 

Muitos adolescentes vivem situações de exclusão familiar devido à sua orientação sexual e/ou identidade de género. A missão do Happier Teens é proporcionar a estes jovens as condições necessárias de segurança física e emocional, colocando à sua disposição meios de reforço da sua resiliência e integração social, escolar, universitária ou profissional, tendo em vista uma autonomização segura.

O projeto Happier Teens visa o apoio à população jovem LGBT, através da criação de uma “rede de apoio” com diferentes valências, nomeadamente: acolhimento de emergência e temporário, acompanhamento de casos, assistência social, acesso a cuidados médicos, acompanhamento psicológico, apoio escolar ou universitário, apoio à integração familiar e apoio à integração profissional.

O projecto subdivide-se na prestação de dois serviços independentes e complementares:

• A Casa Trampolim insere-se neste projeto, configurando uma resposta de acolhimento de emergência e temporário a jovens LGBT entre os 18 e os 21 anos, em situação de exclusão familiar, por motivo relacionado com a orientação sexual ou identidade de género;
• Além da Casa Trampolim, o projeto pretende ainda funcionar como uma prestação de serviços de apoio social a jovens não residentes e que por motivo relacionado com a orientação sexual e/ou identidade de género, necessitem de ajuda técnica que lhes proporcione a integração plena na sociedade.

Quer ficar connosco?

reserve já